Número total de visualizações de página

quinta-feira, 30 de abril de 2009

sábado, 25 de abril de 2009

sexta-feira, 24 de abril de 2009

Mendelssohn - Rondo capriccioso



Felix Mendelssohn Bartholdy (Hamburgo, 1809 - Leipzig, 1847)

Alemanha

quinta-feira, 23 de abril de 2009

Liszt - Il lamento (Concert etude)


Franz Liszt (Boémia, 1811 - Bayreuth, 1886)

Hungria

sábado, 18 de abril de 2009

Chopin - Nocturno, op. 27, nº 2


Fréderic Chopin (Zelazowa Wola, 1810 - Paris, 1849)

Polónia

sexta-feira, 17 de abril de 2009

quarta-feira, 15 de abril de 2009

quinta-feira, 9 de abril de 2009

terça-feira, 7 de abril de 2009

Morte e Vida Severina - Cena do enterro do sem-terra






João Cabral de Melo Neto (1920-1999)

Chico Buarque (1944)

Cândido Portinari - Retirantes

Morte e Vida Severina (subintitulado Auto de Natal Pernambucano) é um livro do escritor brasileiro João Cabral de Melo Neto, publicado em 1966.
O livro apresenta um poema dramático, escrito entre 1954 e 1955 e relata a dura trajetória de um migrante nordestino em busca de uma vida mais fácil e favorável no litoral.
Em 1965, a pedido do escritor Roberto Freire, director do Teatro da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, o músico Chico Buarque musicou o poema para a montagem da peça.

Schumann - Andantino (sonata nº 2)


Robert Schumann (1810-1856)


Alemanha

segunda-feira, 6 de abril de 2009

Schubert - Adágio


Franz Schubert (1797-1828)
Áustria

quinta-feira, 2 de abril de 2009

Cantata de Santa Maria de Iquique (parte 1)


A "Cantata de Santa Maria de Iquique" foi escrita pelo compositor chileno Luís Advis, em 1970, para ser interpretada pelo grupo Quilapayun. A cantata foi inspirada por um acontecimento histórico tragicamente célebre: a matança ocorrida, em 21 de Dezembro de 1907, na escola Santa Maria, na cidade de Iquique, no norte do Chile. O massacre de Iquique, executado pelo exército chileno, abateu-se indiscriminadamente sobre trabalhadores e seus familiares, velhos, mulheres e crianças. Mais de 3 mil pessoas foram chacinadas e a brutalidade da carnificina foi tal que silenciou, durante mais de dez anos, o movimento operário chileno. Tratava-se de homens que trabalhavam na extracção de salitre. A sobre-exploração a que estavam sujeitos por parte das companhias mineiras atingiu extremos insuportáveis e levou os trabalhadores a uma greve geral. Depois de vários dias em que tentaram, em vão, negociar, o governo chileno, pressionado pelas companhias estrangeiras, decidiu enviar o exército para acabar com a greve, com ordem para matar.
Foi um acto exemplar de barbárie, um episódio entre muitos outros nas inumeráveis lutas operárias pela obtenção de melhores condições de trabalho e de vida. Por isso, este massacre deve ser recordado como revelador da verdadeira natureza do capital, que só abre mão (e de forma muito limitada) dos seus privilégios e da sua ânsia de acumulação de riqueza quando as circunstâncias a isso o obrigam. Os direitos do trabalho e a melhoria das condições de vida dos trabalhadores, convém lembrá-lo, foram e serão sempre conquistados pela luta, nunca concedidos de moto próprio pelo capital.
Eis os primeiros versos da "Cantata de Santa Maria de Iquique":

Señoras y Señores
venimos a contar
aquello que la historia
no quiere recordar.
Pasó en el Norte Grande,
fue Iquique la ciudad.
Mil novecientos siete
marcó fatalidad.
Allí al pampino pobre
mataron por matar.